top of page
  • Líderes

O que explica o rápido desenvolvimento de Startups tem no Espírito Santo

Artigo de Opinião - Por Luan Sperandio, Associado III do Instituto Líderes do Amanhã


O primeiro semestre de 2022 encerrou com 137 startups ativas no Espírito Santo. É o que apontou o levantamento Startup Scanner. São 23 startups a mais do que o número registrado em outubro de 2021, data de divulgação da primeira edição do estudo, isto é, pouco mais de 15%.


Esse contingente atua em 27 segmentos econômicos diferentes, destacando-se o número de soluções tecnológicas voltadas para a educação, as EdTechs (17), seguida por Fintechs (13), que são voltadas para a área financeira; MarTechs (11), com iniciativas tecnológicas de marketing e HealthTechs (9), focadas em saúde e bem-estar físico e mental.


Além disso, todo esse ecossistema de startups tem se desenvolvido de forma acelerada no estado, em especial a partir de 2018: 62,78% delas foram fundadas após este ano, sendo 21,17% somente em 2020, 15,33% em 2019, 13,87% em 2018 e 11,41% em e 2021.


Há alguns fatores que contribuíram para esse cenário de aceleração no ES.


A disponibilidade de um capital humano qualificado no estado, além de dezenas de hubs de inovação e casas de investimento que conectam as startups com investidores são fatores essenciais desse processo. Contudo, o que melhor explica é a conjuntura econômica composta por juros menores.


A queda na taxa de juros verificada após 2016 no Brasil, de 14,25% até a taxa recorde de 2% em 2020 foi o principal fator. Ele tornou o custo de capital mais atrativo para empresas inovadoras financiarem suas atividades. Na outra ponta, com juros menores, o custo de oportunidade aplicado em aplicações financeiras tradicionais diminuiu, fazendo com que fosse necessário ao investidor buscar soluções financeiras mais sofisticadas, como o venture capital — que consiste, justamente, no investimento em startups.


Segundo a Inside Venture Capital Brasil, as startups brasileiras receberam mais de US$ 9,4 bilhões em investimentos em 2021, R$ 53,8 bilhões na conversão do câmbio na virada do ano. Em 2017, o valor foi quase 10 vezes inferior, de US$ 905 milhões.


Se a taxa de juros — em última análise, o preço do dinheiro — foi o principal fator que deu o tom na velocidade desse fluxo financeiro, o aperto monetário do Banco Central, com a Selic atualmente em 13,25%, fará o movimento inverso?


Não é o que os números mostram. Nos primeiros 4 meses de 2022, houve US$ 2,3 bilhões em capital de risco, somente cerca de 4% a menos do que no mesmo período em 2021, segundo números do Distrito.


Dessa forma, o desenvolvimento do ecossistema de startups no Brasil e no ES deve continuar, apesar de mais devagar. Isso mostra que o desenvolvimento desse ecossistema chegou a um patamar que pode desafiar um ciclo econômico de maior dificuldade para acesso a capital.



Luan Sperandio - Associado III

3 visualizações0 comentário
bottom of page