Buscar
  • Líderes

A vacinação deve ser obrigatória ou não?

No Júri Simulado desta semana, os associados debateram sobre a vacinação contra o COVID-19: de um lado a favor da obrigatoriedade da vacina e de outro a responsabilidade e conscientização de cada indivíduo


O formato do evento, o qual ocorreu na última segunda-feira, 15, consiste na realização de um debate sobre um tema atual, mediante a dinâmica de constituição de bancas de acusação e de defesa. O Júri Simulado tem como propósito central a discussão, capacidade de argumentação e a análise de temas cotidianos sob diferentes perspectivas.


E não haveria tema mais atual do que dito anteriormente: “A vacinação contra o COVID-19 deve ser obrigatória?”. A Associada III e líder do evento, Nádia Medici da Costa, mediou o grupo a favor, formado por Paula Magioni, Pietro Tanure e Vitor Freitas, e o grupo contra, formado por Gabriel Salvatti, Hugo Côgo e Vinícius Frazzi.


O primeiro sustentou a ideia de obrigatoriedade para todos promoverem proteção a si (individual) e coletiva, assim como algumas vacinas no Brasil são impostas a crianças, adolescentes e adultos. Além disso, consideraram que a contaminação diminuiria substancialmente caso fosse feita, evitando mortes e permitindo voltar à normalidade mais rápido.


No entanto, o segundo grupo destaca que decisões impostas pelo governo não norteiam o poder de decisão e responsabilidade individual de cada um. Na verdade, ele pode implementar medidas “indiretas”, como restrição à frequência de determinados lugares, por exemplo. Em sua apresentação, o grupo também citou campanhas de vacinação por meio de um amplo investimento em marketing do mercado para sua conscientização acerca do assunto.


Assim sendo, a votação final foi de 38x31, a qual representou o grupo contra o vencedor.

➡️ O evento foi organizado pelo Instituto no formato híbrido, no qual um grupo de associados assiste ao evento presencialmente e os demais participam online.




22 visualizações0 comentário