Artigos

Um espaço com textos produzidos pelos associados, alinhados com os valores defendidos pelo instituto

Inicial Artigos Artigo

02 MAR 2017

Aonde estão os valores?

Aonde estão os valores?

Pablo Vieira

Ficou o sentimento de que o cidadão só anda na linha se tiver a polícia como cão de guarda no seu pé

Quando eu era criança, meus pais me ensinaram duas coisas que fariam toda a diferença em minha vida: não pegar nada que era dos outros e não brigar ou desrespeitar o próximo.

Naquela época, eu não tinha discernimento para entender o tamanho do significado dessas duas orientações.

Mais tardo, com um pouco mais de consciência sobre o funcionamento de uma sociedade, ficou claro que meus pais me ensinaram dois valores que iriam nortear tudo em minha vida. Não pegar nada dos outros refletia o respeito à propriedade privada. Não brigar ou desrespeitar o próximo foram os primeiros conceitos de liberdade e respeito ao Estado Democrático de Direito.

Diante da grave crise que enfrentamos na segurança pública no Espírito Santo, comecei a me questionar: Aonde estão os valores da sociedade? As cenas que assistimos com perplexidade nos últimos dias, de pessoas que se dizem honestas, saqueando lojas e aproveitando o caos para “se dar bem”, trouxeram à tona a barbárie que se instalou na sociedade brasileira. Ficou o sentimento de que o cidadão só anda na linha se tiver a polícia como cão de guarda no seu pé.

Para mim, também ficou claro que a crise que presenciamos no Espírito Santo é muito maior do que o fato de não haver policiais na rua. É uma crise de valores. Toda forma de desvirtuação nasce do cidadão sem ética, sem honra e sem valores básicos. O "jeitinho" brasileiro já virou folclore. Exemplo disso são os escândalos de corrupção que, muitas vezes, nem chegam a causar espanto. Tudo isso é o reflexo da falta de valores da sociedade como um todo.

Mas como resgatar valores tão básicos e essenciais e por que eles estão ligados à manutenção da segurança do cidadão? Valores são enraizados em nossas vidas nas pequenas atitudes do dia-a-dia. Sabe aquela vaga de estacionamento proibida que você insiste em parar? Ou aquele favorzinho que você faz pensando em se beneficiar lá na frente? E quando você recebe o troco a mais do garçom, mas não fala nada, porque o importante é que você saiu em vantagem?

Pois bem, são nesses simplórios exemplos que os valores de uma sociedade vão sendo distorcidos, contribuindo, aos poucos, para que a vida em comunidade fique cada vez mais insana, como vivenciamos nos últimos dias. Não foi da noite pro dia; não foi a paralisação dos militares que fez o caos eclodir. A verdade é que a responsabilidade pelo que estamos presenciando na segurança pública pode ter o dedo de cada um de nós. E é por isso que precisamos estar sempre vigilantes e lembrar que os valores que importam para uma sociedade prosperar são inegociáveis. Aliás, estes valores são capazes de garantir a segurança de que tanto sentimos falta nesse momento de crise.